quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

INVOCABULUS


























José Antônio Cavalcanti



Amor. Substantivo arcaico. Termo a ser banido da língua portuguesa. Mau hálito e azia. Dor de barriga. Insônia. Aumento de dívidas e da lista de remédios. Mau funcionamento do lado esquerdo do cérebro. Disfunção hepática e coronariana. Álvares de Azevedo, em mensagem psicografada, revelou-me ser o amor um pântano produzido apenas por palavras dispostas em uma química de enganos. Ver: Jack, o estripador, Sade, Safo, Oscar Wilde, a minha vizinha do quinto andar e as meninas da Vila Mimosa.

Arte. Antinome indeterminado. Algo que desapareceu no horizonte, no tempo em que este ainda existia, entre Grécia e Bahia. Ver: Aristóteles, Hegel, Heidegger, Cartola e Zeca Pagodinho.

Ética. Substantivo de marketing. Criado pelos irmãos Platão, Spinoza e Kant, sob a curadoria papal, faz parte dos organogramas empresariais e alimenta ongs picaretas. De natureza vaga e modus embromatorius, é uma máscara para o sem rosto da sociedade, normalmente disfarce para o repulsivo e o hediondo. Ver: direitos do consumidor, analistas políticos da burguesia (perdoem a redundância), sociólogos (ou seja, explicadores submissos da nossa realidade), religiosos (de preferência, fundamentalistas, tarados e pedófilos), melhor: consulte todo mundo, pois todos se declaram éticos.

Insurreição. Substantivo existencial. Movimento de retorno à palavra manifestada como ausência. Cisão entre o antes e o depois. Ver: Antígona, Hölderlin, Vallejo e Khlébnikov.

Isso. Pronome inconclusivo. Dêitico especificativo de porra nenhuma. Opõe-se àquilo para tornar nítida a oclusão da existência. Expelido por Kierkegaard, tem infernizado a vida de filósofos, apesar de a filosofia ter se transformado em esquizofrenia. Ver: Heidegger e outros místicos.

Palavra. Substantivo hipotético. Não é vocábulo, nome, termo, conceito ou qualquer definição conhecida. Autotélica e tautológica forma do nada, do qual emerge como fratura e suicídio. Ver: Wittgenstein,  Beneviste, Guimarães Rosa, a Bibla (não encha o meu saco, ortografo como quiser).

Poema. Substantivo em extinção. Arquitetura insuflada pela anima da poiésis. Espécie de inutensílio costurado por espaços inúteis e signos absurdos para gáudio de esnobes e narcisos. Espelho de poetas que dispensa a imago de leitores. Ainda que extintos, sobrevivem ferozes e falaciosos no mínimo círculo de seus iniciados. Ver: Concretismo, Ponge, e. e. Cummings, Apollinaire, Arnaldo Antunes. (serve também qualquer poeta de botequim).

Poesia. Substantivo indeterminado. Algo que impulsiona a pro-dução, poiesis. Paradoxo: o incriado criador que produz aquilo em que não pode ser encontrado, pois nele não reside. Passagem em múltiplas formas e suportes, ainda hoje há quem acredite em sua sobrevivência como energia criadora ou fantasma. Ver: sei lá, liga a televisão.


ERRÂNCIA


Rné Magritte



















                       José Antônio Cavalcanti


A indiferença,
país de olhar longínquo,
ao meu incandescente caminho
na fímbria,
na fresta
entre o teatro do mundo
e as águas submersas,
é em ti dádiva divina,
uma cruel cicatriz nas cinzas
dos teus olhos imperiais.

Aparta de meus dedos
as cordas do teu corpo,
cruel domadora de desejos.

Estilhaças insurreições da carne
com correntes e métodos.
Podes, então, voltar ao livro
de capa verde sobre a mesa escura,
abri-lo em página inexistente,
embriagar-te com teu verso favorito,
pleno de delícias e sobressaltos,
que nenhum poeta ainda ousou escrever.

Coabitamos um tempo
em perpétuo desmoronamento.
Podes, amor, desabar
toda a fúria sobre a minha pele
em pânico, sobre a tela vazia do meu rosto
em curto, sobre as palavras plasmadas
em perda, em pedra, em pó.

Que a tua passagem em minha órbita
seja sempre o universo que me consome!
Que sempre voltes o teu olhar para o outro lado do abismo!

O fingimento é a mútua pronúncia
em nossos lábios
do que sobrou da palavra amor .


sábado, 12 de fevereiro de 2011

HEMATOMA

Iberê Camargo


José Antônio Cavalcanti  


Não, isso não vai ficar assim. Ele vai ver só.  Babaca!  Frouxo!  Na cama que é bom mesmo, não consegue dar conta do recado. Sempre com sono, cansado ou bêbado como um porco. Rola as banhas prum lado e pro outro e principia a roncar forte e animalesco. Fim de semana inventa mil desculpas: é uma ida a São Paulo, um batizado lá em Piabetá, um  casamento em Vila Rosali. Está sempre me evitando, fugindo, distante. Ah,  mas  ele  me  paga, juro por tudo que me é sagrado que esse banana vai se arrepender...  Acho  que  está  enlouquecendo.  Só pode ser isso. Ontem o maluco investiu possesso contra mim,  dando  murros e pontapés, gritando,  quebrando as coisas...  Covardão!  Eu queria apenas brincar de  ilusão – tonta que sou.  Hoje dormir com ele num mesmo leito é um ato de sacrifício.  Não  aturo mais o amontoado de adiposidades gemendo e babando sobre mim,  sentir seu hálito de  cachaça e fracasso. Difícil enxergar um homem por trás daqueles trapos. Impotente, gilete!  Já não gozamos, sofremos o prazer irrealizado, e a vida...  Que merda!  Logo no dia do aniversário da Lena. Preciso disfarçar essa marca roxa no rosto.  O estúpido  rasgou até o  vestido que me presenteou para que fosse estreado na festinha.  Eu preciso ir,  porém, assim, acho que não vou agradar muito. A Lena é tão boazinha. O marido dela é que é bacana. Não é igual a esse  paspalho  que  aperreia a minha  vida.  O  sem-vergonha  outro dia telefonou pra mim.  Gostoso. Já o senti, no hall do elevador, me comendo com os olhos. Fiquei meio constrangida porque a Lena estava falando comigo e senti um alarme no olhar dela,  mas bem que fiquei satisfeita. Onde está o outro vestido?...  Não,  esse é horrível.  Já desfilou por todas as festas  nos  últimos dois anos. Acho melhor transar um ar esportivo. Assim,  óculos,  meias berrantes,  bermuda...  Não  sei...  Hum...  O marido  da  Lena ganha muito bem;  além de motorizado,  não é  nenhum unha-de-fome igual ao besta do Arnaldo. A Lena nunca anda reclamando.  Filho da puta do Arnaldo: me bater ainda vai,  mas rasgar o meu melhor vestido.  Se pelo menos não  tivesse ficado a marca. Nas coxas, tudo bem, ninguém vê, mas o hematoma aqui no olho é fogo. Se o marido da Lena visse costas e coxas ostentando  sinais  de  pancadas,  o  que  pensaria  de mim? Preciso disfarçar. Espero que o Arnaldo hoje não dê a louca de chegar mais cedo. Ele é meio maníaco. Acho que todo funcionário público chefe de seção é meio doido. A Lena é uma pessoa tão agradável. Só é muito sacana. Como é que ela descobriu que a Solange adora mulheres?  Mas a Solange, logo ela...  tão quietinha. Que absurdo!  A Lena  perguntou se eu topava fazer uma experiência com ela e a Solange. Que idéia!  Fiquei sem graça, mas ela acha que só tem coragem se formos juntas. Hoje,  na festa,  digo sim.  Puxa!  Estou  ficando muito liberada.  Acho que estou me atrasando.  Esse hematoma desgraçado.  Arnaldo  é  um grosso. Trata as mulheres como objetos.  Vai ver me confunde com os arquivos,  cartões  de ponto, máquinas e carimbos da sua repartição. Homem é assim mesmo:  roupa lavada,  passada, comidinha no tempero exato, uma babá pros filhos, uma cadelinha pra cama  –  eis  a esposa modelo.  Arnaldo é um merda.  O marido da Lena não.  É, nem todos os homens são iguais. O marido da Lena tem o maior tesão por mim.  Preciso ir bem charmosa.  Tenho que fazer presença.  Ah!  essa coisa asquerosa enfeando o meu rosto.  Arnaldo é um grosso.  A Márcia é que é esperta.  Outro dia me deu um sermão:  não sei  aproveitar a vida,  tenho  só vinte e oito anos,  meu corpo é joia,  sou muito medrosa.  O marido da Lena tem um monza cinza metálico e trabalha numa gravadora. Puxa!  deve conhecer muitos artistas.  Desconfio que o Arnaldo está brocha.  Pronto:  agora só  falta encobrir o ferimento.  Arnaldo é mesmo um grosso. Não sei como ainda vivemos juntos.  Oito anos de hiprocrisia e conveniências... oito anos...  Foi na  Igreja de Santa Margarida,  meu velho sonho.  Que  merda!  O Arnaldo tem um relacionamento tão estranho com o Ângelo. São tão ligadinhos que dá até para desconfiar. Eu, hein, veado! Ele me paga! Será que esqueci a chave na gaveta da cômoda?  Tenho que dar um jeitinho de marcar um encontro com o marido da Lena. Ele é tão gostoso. A Lena é tão boazinha.  Arnaldo é um animal...  Eu só queria  acreditar  que  ainda  estávamos vivos...  Ih!  Já são dez e meia.

NAU URBANA


Cidade, Cícero Dias


                José Antônio Cavalcanti

Sombras sonoras piscam
na cidade,
esse charco aceso de segredos
onde anjos boêmios dissolvem
- com palavras e copos plásticos -
os muros do paraíso.

Noturnas,
as vias respiratórias da urbe
- duto de perversões e desvios -,
em sístole e diástole,
marcam o ritmo veloz
das aves que migram do inferno.

Bairros,
manchas de lixo e entulho
impermeáveis à luz
exibem lúgubres
a miséria de domicílios inviáveis.

Arquitetura e tautologia,
as fibras dessas construções
recusam passagem ao júbilo.

Ausência de música e catedrais;
Apenas a pauta das máquinas
Na mímica das mercadorias.
Encena insana dramaturgia.

O Armagedon não armou a paisagem.
A cidade é mesmo jogo sem regras,
sem sentido, sem finalidade.

POESÍA


Lygia Clark

            José Antônio Cavalcanti

Los poemas perdieron sus palabras.
Han caído, como dientes cariados,
en agujeros negros,
sórdidas rutinas,
fallas tectónicas.

Las palabras murieron ahogadas
en dosis letales de sonoridad,
se han convertido en fantasmas en el aire,
aves volatizadas,
despedazadas sílabas muertas.

El poeta es mímico y malabarista de lenguas
que ya nadie puede escuchar.

El arte se volvió en álgebra invisible
en estos días de solombra.
No hay más invención ni proyecto;
sonríe la estética de la midia
sob el cielo de acetato.

El tiempo fue expurgado
de cualquier temporalidad,
y alguien ha hurtado lo real
y sus márgenes de sueños:
nadamos en charcos de lama y plástico
en la ciudad sin metáforas.

Quizás ahora, que no hay más poemas,
podamos escribir un poema imposible.

CORREDOR



Cabeça de homem, Paul Klee


            
 
















 "A arte não reproduz o visível, mas torna visível."
                                                       -  Paul Klee



ao redor da cor

correr

              fora

                        da pista

apostar o pincel

despistar

                    a vista

 

RESIDUAL


Pintura de Francis Bacon




    






















     José Antônio Cavalcanti


Cardume de verbos
na piscina da página
funda
manhã submersa:
o que se vê
não é o que se pesca;
o que se ouve
é o peixe que escapa
em águas indescobertas;
o que se guarda
é a acidez da memória
oxidando gestos incompletos.