quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

Quedar-se
















1.
Belvedere
minarete
observatório
aqui
do outro lado
do olho
foz
de imagens
desfaz-se
qualquer
ponto de vista

2.
Poema
sem locus
o próprio
foco
ilegível
topos
contratempo
a vontade de perder
até o fundo
para fincar raízes
no impossível

3.
“Oisive jeunesse
A tout asservie,
Par delicatesse
J’ai perdu ma vie”:
lírico e louco
Rimbaud
desmorona
pouco a pouco
atrás de altas
torres
cada vez mais
altas
canções opacas.


Nenhum comentário:

Postar um comentário