domingo, 28 de abril de 2013

Ingenium

















Arremessar
lâmpadas
e palavras
contra 
a solidez
obtusa
das muralhas
até
derrubá-las

Desarmar
a cidade,
desmurá-la

Despi-la
de senhas,
despedir
seus escombros
de sombras,
perder-se
em labirintos
de alumbramento

Pedi-la
sem decretos,
desertos,
deserções

Amá-la
ainda que o ruir
dos muros
no escuro
não passe
de leves passos
de poesia e esperança





Nenhum comentário:

Postar um comentário