segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

Poltrona vazia

Manabu Mabe




















Ausência
agora
sentada
no assento
azul.
Recostada
em palavras
sem apoio
onde
há pouco
face engelhada
purgava
paixões
mortas.

O vento
ainda
balança
a canga
esticada
sobre
a poltrona
onde
há pouco
sobrevivente
sonhava
voltar
ao ponto
em que as escolhas
nos encolhem.


Um comentário:

  1. As "ausências" sempre "encolhem" nossa esperança tão sonhada!
    Abraço.

    ResponderExcluir