domingo, 16 de março de 2014

O lado de fora do poema

















não se abre
ao fechar-se um livro
como alguém
que batesse portas
e selasse janelas
entre aposentos distintos

é preciso
um certo tempo
para alcançarmos
o que vive fora
do poema
um tempo precioso
inesgotável
e isso é tão verdade
que morremos
antes de descobrir
se algo realmente existe
fora do poema


Um comentário:

  1. Depois que o concebemos, o poema já não nos pertence...
    Abraço.

    ResponderExcluir