quinta-feira, 10 de julho de 2014

Aos que talvez fossem não fosse um talvez















Fique com as suas certezas na sala,
descanse ao peso da verdade,
condene as mãos que danificam
a sua zona de conforto,
a paisagem encantadora de sua janela.
Apodreça com método e manuais
de dialética,
após decifrar novas teorias sociais
de encarquilhados filósofos do mundo morto.
Guarde a raiva e a impotência
para dizer na minha cara:
- Eu não falei? Viu que furada?
Já ouvi seus vínculos
com o medo,
seu compromisso com as migalhas
da vida universitária.
Você acha que milhões de pessoas
são fascistas, eu sei.
Todos os que não seguem
sua eterna ladainha derrotista,
todos os que não se curvam
à redução da política ao oportunismo eleitoral,
todos que percebem que
seu esquerdismo estéril
é incapaz de alcançar a língua da favela e do camponês,
todos os diferentes de você
formam, a seu juízo, um exército de alienados.
Você é foda, é o fodão,
desde que a direção seja sua,
desde que seja você o capitão.
Numa coisa você e o burguês
são exatamente iguais:
ambos se mijam e se borram
quando o povo explode.
Então precisa localizar as falhas,
nunca, no entanto, estão em você mesmo,
nunca reconhece que sempre samba do lado errado,
por isso a culpa está sempre do outro lado,
nos inimigos de plantão:
“isso é um golpe”, “é a CIA”,
“é a FIESP”, “há muito grana de fora”,
“o povo não sabe votar”.
Sim, os bárbaros estão lá fora,
o BOPE está lá fora,
o blindado está protegendo a ordem
que nos massacra,
os neonazistas estão sedentos de sangue,
a direita apresenta as suas armas,
a mídia anda doida por centenas de vítimas,
filtra, explora e expurga as imagens,
o serviço de delação dos que lutam
já se acoplou à espionagem na rede,
mas também estarei lá
não para negar
mas para aprofundar a democracia,
para soprar o vento do inconformismo,
para espalhar a rebeldia
sem a qual nada irá mudar neste país.
Se você prefere ficar abraçado
à certeza, à costumeira arrogância de
uma suposta verdade, fique.
Digite uma petição, faça o enésimo
abaixo-assinado por uma boa causa.
Mas gostaria de estar ao seu lado
nas ruas, abraçá-lo, beijá-lo
mesmo no meio da incerteza e do dilúvio.
Você diz que não há rumo
que estamos perdidos
mas você está precisando se perder
para encontrar a sombra de um caminho.


Um comentário:

  1. É preciso desmistificar a prepotência, sem dúvida alguma!
    Abraço.

    ResponderExcluir