segunda-feira, 4 de março de 2013

Certidão de deserto



















Perdi meu nome 
esta manhã. 
Talvez as letras
no ralo,
na rua,
talvez. 
Recompensarei
com flores de papel amarelo
e um cão sem pelo
quem me trouxer
qualquer acento,
letra,
sílaba.

Estou certo
de jamais
meu nome completo.


Um comentário:

  1. Há um momento na vida em que o nome é supérfluo!
    Abraço, Célia.

    ResponderExcluir