sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Série "Não hai nem kai" II




















1 (Lua azul)

Lua a duas vozes
acende no mesmo mês
um disco de luz.

2

Breve a primavera
abrirá todas as portas;
amores à solta.

3

Cavalos do sol
aos saltos, cascos nos corpos
de vastos pecados.

4

Um vento divino
sopra a palavra no poema,
mundo sem domínio.

5

Acena o oceano
com as sereias do Atlântico.
Eu...  copacabando-me.. 

6

Assustou-se  esquivo
sagui do Jardim Botânico;
ventania, relâmpago.

7

Babélica burla
o amor, rolam beijo e abismo
na mesma orla curva.

8

Delicado beijo;
na rubra falha do corpo,
tumulto e incêndio.


9

A sombra de um cão
na lua late luminosa;
eco nas estrelas.


10

Uma gota gasta
a margem negra do líquido.
Dedo no gatilho.


11

Segredo nas asas, 
voa e valsa um beija-flor.
Pétala de orquídea. 

12

Esvai-se o inverno
em seu casaco de nuvens
lavado nos ventos. 

13



Entre galhos secos
um sabiá, graça esguia
na chave de sol.

14

Cálice e corola
crescem o corpo da flor
aquém do perfume.

15

Árvore onde o sol
pousou seus cabelos de ouro
renasceu memória.

Um comentário:

  1. Um dedo galho segura um pássaro pelo bico mas ele "Não hai nem kai"...

    ResponderExcluir